sábado, 21 de abril de 2018

Estamos na Semana Internacional dos Céus Escuros 2018! Conheça um pouco do meu trabalho na área #IDSW2018


Estamos encerrando a Semana Internacional dos Céus Escuros 2018 (International Dark Sky Week, IDSW2018). Esta é uma iniciativa iniciada em 2003 por uma estudante norte americana, Jennifer Barlow.

 O objetivo é chamar a atenção para os problemas causados pela poluição luminosa e promover iniciativas simples para minimizá-la. A International Dark Sky Association criou uma página com recursos de sensibilização que podem ser utilizados durante estes dias. Também é possível acompanhar a campanha nas redes sociais, seguindo a hashtag #IDSW2018. O tema deste ano é "Acenda a noite" (Turn on the night).




O blog anda parado, mas não as atividades... Aproveito a IDSW2018 para disponibilizar aqui os artigos que publicamos recentemente sobre poluição luminosa.


Neste trabalho, mostramos como a observação do céu noturno sempre teve importância vital para o desenvolvimento da Humanidade, seja do ponto de vista científico, filosófico ou como inspiração artística. No entanto, a visão das estrelas está em risco: o descontrole no uso da iluminação artificial, provocando a  poluição luminosa, tem feito com que boa parte da população mundial fique  impossibilitada de apreciar um céu estrelado. Deste modo, também se limita a capacidade de compreender a ciência, o processo de construção do conhecimento e as obras culturais inspiradas pela visão do firmamento. A luz artificial inadequadamente utilizada também altera o ciclo natural de vida das plantas e animais, lesando o patrimônio natural. Analisamos os instrumentos legais e certificações existentes para assegurar a proteção da qualidade do céu e de sua visão enquanto parte integrante do patrimônio humano, natural ou cultural. Pretende-se demonstrar que, ainda que o céu noturno não esteja por si só formalmente reconhecido em diversas instâncias oficiais enquanto patrimônio, ele já deveria estar sendo resguardado por fazer parte de sítios e saberes registrados, tombados ou candidatos a procedimentos de conservação e proteção no contexto internacional ou nacional.
Tendo em vista a dificuldade para a articulação de legislações ou regulamentações de controle da iluminação artificial junto ao poder público, a abordagem referente à proteção do patrimônio - natural e/ou cultural, tangível ou intangível, que remete à presença da luz das estrelas - fortalece a demanda, uma vez que pode vir a obrigar a ações urgentes para preservar o nosso acesso à observação do Universo. Como exemplo, ressaltamos a pertinência de procurar proteger dois locais no território brasileiro potencializados pela possibilidade da observação do céu noturno: o Saco do Céu (Ilha Grande, RJ) e o Observatório do Pico dos Dias (Brazópolis, MG).

Neste artigo, ressaltamos a existência de uma lacuna em termos de reconhecimento e proteção a uma certa tipologia de patrimônio no território brasileiro: o astronômico, cujos elementos frequentemente só podem ser devidamente compreendidos sob a luz das estrelas. A mobilização internacional em torno do tema tem sido facilitada por um trabalho conjunto do ICOMOS e da União Astronômica Internacional (UAI/IAU), iniciado em 2004. Assim, argumentamos que é urgente a articulação nacional em torno da identificação sistemática do patrimônio astronômico brasileiro e a discussão coordenada sobre os mecanismos para a sua devida proteção.


Como sempre, estamos disponíveis para esclarecer quaisquer dúvidas e para discussões. Boa leitura e bom final de IDSW2018!

0 comentários:

Postar um comentário

Página de notícias sobre Poluição Luminosa (PL), mantida pela astrofísica Tânia Dominici.

Pesquisar no blog

Pesquisar este blog

Translate

Translate


Arquivo do Blog
Marcadores

Marcadores

Alemanha (1) Aneel (1) animação (2) Ano Internacional da Luz (17) aplicativos (3) astrofotografia (11) astronomia (2) Banco do Brasil (1) Ben Canales (1) bioluminescência (1) Brasília (1) Brazópolis (2) Calgary (1) Canadá (2) câncer (1) Chile (1) China (1) Christina Seely (3) ciência cidadã (7) Cingapura (1) Cosmic Light (7) Dark Sky Meter (3) David Oliver Lennon (1) Declaração de La Palma (1) Deutsche Welle (1) diabetes (1) Doha (1) emissão de carbono (1) EUA (3) Evitando gerar Poluição Luminosa (3) f.lux (1) França (3) Futurando (1) gif animado (1) Globe at Night (9) Glowee (1) Hillarys (1) Hong Kong (1) Hora do Planeta (2) IAU (2) Ibram (1) ICOMOS (2) IDA (5) IDSW (1) Ilhas Canárias (1) iluminação pública (8) impactos ambientais (10) impactos econômicos (7) impactos sociais (8) Itajubá (3) IYL2015 (15) José Cipolla Neto (1) LED (5) legislação (8) Londres (3) Los Angeles (1) Loss of the Night (3) Luz Cósmica (6) Mariana Figueiro (1) Mark Gee (1) MAST (2) Mauna Kea (1) melatonina (1) monitoramento (10) Mont-Mégantic (1) NASA (1) Natal (2) Nicholas Buer (1) Nova Iorque (2) novas tecnologias (1) obesidade (1) Olivia Huynh (1) OPD (14) orientações (5) Oriente Médio (1) pássaros (1) patrimônio astronômico (1) poluição luminosa (49) Portugal (1) Pouso Alegre (1) Prêmio Nobel (1) projeto Tamar (1) Público (1) Raul Lima (1) Reino Unido (1) Rio de Janeiro (4) Rio+20 (1) Rothney Astrophysical Observatory (1) Santa Rita do Sapucaí (1) São Paulo (1) saúde humana (1) SciShow (1) semana de museus (1) simulação (2) SNCT2015 (2) SQM-L (2) Sriram Murali (1) tartarugas marinhas (1) Telluride (1) Thierry Cohen (4) UAI (3) UNESCO (2) vídeo (1) VIIRS (2) What you can do (1) WWF (1) Zijinsham Observatory (1)
Número de visitantes

Total de visualizações de página